NOSSO ENDEREÇO

Av. Anhanguera, 659 - JARDIM NOVO MUNDO - CEP 74705-015 - Goiânia-GO - Pr. Marcos Machado - Fone: (62) 3206-3506 email do blog:educristaibjnm@gmail.com - "SÓ O SENHOR É DEUS!"

27/09/2014

SHOCKWAVE – UMA ONDA DE ORAÇÃO QUE VAI IMPACTAR AS NAÇÕES

           

          Atualmente, mais de 100 milhões de cristãos são perseguidos por causa de sua fé em Jesus. Aqueles que seguem a Cristo enfrentam a oposição de seus governos, sociedades e atéparentes em, pelo menos, 60 nações. Isso faz comque os cristãos sejam o grupo religioso mais perseguido do mundo. Em média,100 indivíduos cristãos perdem sua vida a cada mês em razão de sua fé em Jesus. Por essa razão a igreja livre tem se unido em oração.

O SHOCKWAVE é um movimento mundial, de oração, organizado pelo Underground. Este é o ministério de jovens da Portas Abertas Brasil e está há 10 anos despertando a juventude cristã brasileira para servir a Igreja Perseguida. Ao longo do ano, jovens de diversos países se unem em oração pela Igreja Perseguida, formando uma verdadeira onda de choque que impacta a vida dos cristãos perseguidos. Entendemos que nosso corpo (igreja de Cristo) está ligado a uma multidão. Nós temos irmãos vivendo em todos os lugares do mundo e se desse corpo um membro sofre eu também sofro com ele, mas em Jesus nós somos fortes; vamos nos unir. ‘‘Quando um membro sofre, todos os outros sofrem com ele; quando um membro é honrado, todos os outros se alegram com ele” - 1 Co 12.26. Uma onda de amor e oração está se formando e vai invadir as nações. Este é o Shockwave 2014.

      “A igreja deve ser lembrada de que não é a mestra ou a serva do Estado, mas sim a sua consciência… Ela deve ser a guia e a crítica do Estado, nunca sua ferramenta. Se a igreja não recuperar seu fervor profético, ela se tornará um clube social irrelevante, sem autoridade moral ou espiritual.”

Pr. Martin Luther King, Jr (1963)

Strength To Love

A BASE PARA A DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE: RESSURREIÇÃO

Watchamn Nee

           O propósito do incidente em Números 17 é o de resolver a rebelião do povo de Israel. No capítulo precedente rebelião do povo de Israel. No capítulo precedente testemunhamos uma rebelião que sobrepujou todas as outras;   no capítulo seguinte, vemos como Deus acabou com essa rebelião, ao libertar seu povo dessa atitude e de sua consequência, a morte.Deus provou a Israel que a autoridade procedia dele e que ele tinha uma base e uma razão para estabelecê-la. A pessoa à qual Deus garante autoridade deve ter essa experiência básica. Caso contrário, não pode ser designada por Deus. Vida ressurreta é base de autoridade  Deus ordenou aos doze líderes das tribos que pegassem doze varas, uma para cada chefe de família, e que as colocassem na tenda do Encontro diante do testemunho. A vara do homem que Deus escolhesse brotaria. A vara é um pedaço de madeira, um galho de árvore, cortado nas duas pontas. Não tem folhas nem raízes. Já teve vida, mas agora está morta. Antes recebia seiva da árvore, portanto tinha capacidade de brotar e dar frutos, mas não passava de madeira morta. Nenhuma das doze varas tinha folhas nem raízes, todas estavam mortas e secas. Mas Deus disse que, se uma brotasse, essa seria a vara daquele que ele escolhera. Isso dá uma ideia de que a resurreição é a base para a eleição como também para a autoridade. No  capítulo 16, o povo  rebela-se  contra  a  autoridade  designada por Deus; no capítulo 17 Deus  confirma a autoridade que escolheu. Deus determinou que a ressurreição era a base para a autoridade, acabando assim com a murmuração do povo. O povo não tinha o direito de pedir explicações a Deus, mas, apesar disso, Deus condescendeu em informar qual era sua base para o estabelecimento de autoridade. A base era a ressurreição, uma coisa contra a qual o povo de Israel não podia argumentar. Naturalmente, Arão e os israelitas descendiam de Adão.
 Todos, em sua vida natural, eram filhos da ira; não havia diferença entre eles. Aquelas doze varas eram todas iguais, todas sem folhas nem raízes, mortas, sem vida. A base do ministério está na recepção da vida ressurreta à parte da vida natural. E isso constitui autoridade. A autoridade depende não da pessoa, mas da ressurreição. Arão não era diferente dos outros, exceto que Deus o escolhera e dera-lhe a vida ressurreta. O brotar da vara seca mantém os homens humildes É Deus quem faz a vara brotar. É Ele quem coloca o poder da vida em uma vara morta e seca. A vara que brota torna humilde seu dono e aquieta as murmurações dos donos das outras. A vara é seca, morta e sem esperanças, como a de Arão, mas, se ela brotar e produzir flores e frutos no dia seguinte devemos chorar diante de Deus dizendo: “Isso é coisa tua. Não tem nada a ver comigo. A glória é do Senhor, não minha!” Naturalmente, devemos humilhar-nos   diante de  Deus, pois isso   verdadeiramente é tesouro em vasos terrenos, uma demonstração de que o poder transcendente pertence a Deus, e não a nós. Só os tolos ficam orgulhosos. Os que são favorecidos se prostram diante de Deus, dizendo: “Isso foi feito por Deus. Não há nada de que o homem possa se gloriar. Tudo vem da misericórdia de Deus, não dos esforços humanos. O que há que não tenha sido recebido, uma vez que tudo é escolha de Deus?”


(... continua)

14/09/2014

A AUTORIDADE SÃO AS RIQUEZAS DE CRISTO

Watchamn Nee

         É impossível fazer de cada membro um corpo completo. Cada um de nós deve aprender a permanecer na posição de membro e aceitar as operações dos outros membros. O que os outros veem e ouvem é como se eu visse e ouvisse. Aceitar as operações dos outros membros é aceitar as riquezas da cabeça. Nenhum membro pode dar-se ao luxo de ser independente, uma vez que cada um é membro do corpo. Assim, o que quer que seja que o membro faça é considerado operação de todos os membros e, portanto, operação do corpo.
 O problema de hoje é que a mão insiste em ver, mesmo depois que o olho já viu. Cada um deseja ter tudo em si mesmo, recusando-se a aceitar a provisão dos outros membros. Isso cria pobreza para o próprio membro e também para a igreja. A autoridade é apenas uma outra expressão das riquezas de Cristo. Só ao aceitar as funções dos outros – aceitando sua autoridade –,recebe-se a riqueza de todo o corpo. Submeter-se-à autoridaddos outros membros é possuir suas riquezas. A Insubordinação cria pobreza. “Se os seus olhos forem bons, todo o seu corpo será cheio de luz.” (Mateus 6.22). Se o seu ouvido é bom, todo o corpo ouvirá. Geralmente, interpretamos mal a autoridade, vendo nela algo que nos oprime, magoa e perturba. Deus não tem um conceito assim. Ele usa a autoridade para suprir suas falhas. Sua motivação para instituição da autoridade é conceder-nos suas riquezas e suprir as necessidades dos fracos. Ele não quer que você fique esperando anos a fio e atravesse muitos dias negros e cheios de sofrimento antes que seja capaz de ver por si mesmo. A essa altura, você já poderá ter levado muitos para as trevas.  Na verdade, você se transformaria num cego guiando outros cegos. Que prejuízo Deus sofreria por seu intermédio. Não, primeiro Ele opera na vida de outro, e opera de maneira total, para poder colocar essa pessoa como autoridade sobre você, para que você aprenda a obediência e possua o que nunca possuiu antes. A riqueza dessa pessoa pertencerá à você também. Se você ignorar esse procedimento divino, ainda que viva cinquenta anos, ficará muito atrás do que aquela pessoa alcançou.
A maneira pela qual Deus nos garante sua graça é dupla. Às vezes, embora seja raro, concede-nos sua graça diretamente, mas na maioria das vezes Ele nos concede essa graça indiretamente, isto é, Deus põe irmãos e irmãs acima de você, os quais são mais desenvolvidos espiritualmente, para que você possa aceitar o julgamento deles. Com isso, tornamo-nos aptos a possuir as riquezas deles sem que passemos por dolorosas experiências. Deus depositou muita graça na igreja, mas Ele dispensa a cada membro alguma graça em particular, assim como cada estrela tem glória própria. Assim, a autoridade representa as riquezas da igreja. A riqueza de cada membro é a riqueza de todos. Rebelar-se é preferir o caminho da pobreza. Resistir à autoridade é rejeitar os meios da graça e da riqueza.

Autoridade Espiritual. Nee, Watchamn. 4ªed. São Paulo;
Editora Vida. 2009. Pg. 110/113